Mobilidade urbana: por que as pistas ou faixas exclusivas são tão importantes?

NOTÍCIAS

14/01/2020
Mobilidade urbana: por que as pistas ou faixas exclusivas são tão importantes?

A solução para a mobilidade urbana da Grande Florianópolis passa necessariamente pela criação de pistas ou faixas exclusivas ou preferenciais para o transporte coletivo de passageiros. Mas por quê?

Antes de tecer qualquer conclusão, é importante se ater aos fatos. Segundo o Plano de Mobilidade Urbana Sustentável da Grande Florianópolis (Plamus), desenvolvido pelo Governo do Estado de Santa Catarina em conjunto com os municípios, com apoio técnico de universidades e outras entidades e com o suporte financeiro do BNDES, avaliando a Via Expressa (BR-282), a capacidade de uma faixa de rolamento é de aproximadamente 1800 veículos por hora com ocupação média de 1,3 pessoa (pax/auto).  

Em um cenário sem congestionamento, automóveis têm capacidade de transportar 40 pessoas por minuto. Já, em situação de engarrafamento com 600 a 900 veículos por hora, os carros transportam apenas 16 pessoas por minuto. Com a faixa exclusiva de ônibus, segundo o Plamus, serão transportadas até 80 pessoas por minuto, sendo que no horário de pico a capacidade da faixa é multiplicada por cinco.

Avaliando apenas a Via Expressa, conforme estimativa do Observatório de Mobilidade Urbana da UFSC, que liga São José e todos os municípios a capital do Estado de Santa Catarina, a velocidade média com o uso das faixas exclusivas em horário de pico seria de 60 km/h contra a velocidade média de hoje, que varia de 7 km/h a 40 km/h.

Segundo o professor Werner Kraus Jr., do Observatório da Mobilidade Urbana da UFSC, “Os ônibus carregam muito mais pessoas que os automóveis e é neste sentido que temos que pensar na melhoria na mobilidade urbana da região metropolitana. Os números mostram que a faixa exclusiva para o transporte público, sem motociclistas, vai permitir que mais pessoas utilizem o sistema de ônibus. Temos que pensar que esta faixa exclusiva, que pode parecer ociosa às vezes, na verdade transporta cinco vezes mais pessoas do que o automóvel, mostrando a eficiência do ônibus. É como se fosse um trilho de trem que nem sempre está ocupada, mas quando isso acontece transporta um número de pessoas muito maior”.

É neste sentido que a Biguaçu Transportes Coletivos deixa claro o seu total apoio aos projetos de criação de pistas ou faixas exclusivas para o transporte coletivo de passageiros. Diversas entidades, técnicos e profissionais muito experientes dedicaram inúmeras horas por diversos anos para avaliar a situação da mobilidade urbana da região metropolitana da Grande Florianópolis, inclusive com financiamento e suporte de capital público. Desta forma, não há a mínima dúvida que priorizar o transporte coletivo, criando benefícios aos usuários é certamente o caminho para a solução deste problema que assola toda a população de diversos municípios, turistas e visitantes.

Sem sombra de dúvidas ônibus em faixa exclusiva na Via Expressa vai melhorar mobilidade urbana na região metropolitana. Necessariamente a solução para a falta de mobilidade urbana passa pela criação destas vias que priorizam não apenas os usuários do transporte coletivo, mas sim toda a população. Para os automóveis, é nítido que haja vantagens no tráfego sem a presença de ônibus na pista, mas são notórios os benefícios coletivos e de longo prazo com o uso de pistas e faixas exclusivas ou preferenciais para o transporte coletivo.

 

A pista exclusiva para transporte coletivo na Ponte Hercílio Luz

O uso exclusivo da Ponte Hercílio Luz para pedestres, ciclistas e para o transporte coletivo é uma grande notícia para a mobilidade urbana da Grande Florianópolis. A ponte, cartão postal e patrimônio histórico não só dos catarinenses mas de todo o Brasil, esteve em processo de reestruturação e restauração e agora felizmente voltará a ser utilizada por todos os catarinenses e turistas priorizando o transporte público e coletivo.

Mais do que um cartão postal e um dos maiores patrimônios arquitetônicos do estado e do Brasil, o uso da Ponte Hercílio Luz exclusivo para o transporte coletivo de passageiros poderá servir de prova substancial e cabal para os benefícios que a prioridade deste modal deve ter em nossas cidades.

Para a mobilidade urbana da região da Grande Florianópolis, o passo dado para tornar a Ponte Hercílio Luz exclusiva para ônibus é memorável e pode fazer toda a diferença para a mobilidade, sobretudo em horários de pico intenso de veículos.

 

Diferença entre pistas e faixas exclusivas ou preferenciais

Na pista exclusiva, os ônibus rodam totalmente separados por um obstáculo físico (barreira). Na faixa exclusiva, há uma pintura que determina a separação entre os corredores. Já a faixa preferencial, é utilizada preferencialmente para o transporte coletivo, podendo ser determinado um período de exclusividade como por exemplo, horários de pico.

No caso da utilização de toda a pista de rolamento exclusiva ou preferencial para o transporte coletivo, é estipulada a sinalização no início de fim da linha para determinar a proibição do acesso a outros modais (carros, motos etc) à pista.

 

 

Caso de sucesso em todo o mundo

Poderiam ser citados inúmeros casos de sucesso de qualificação da mobilidade urbana nas cidades em diversas metrópoles do mundo todo. Entretanto, temos no estado vizinho a Santa Catarina, o Paraná, um dos melhores exemplos de todo o globo.

Foi em Curitiba que o “Bus Rapid Transit (BRT)”, ou transporte rápido por ônibus, foi criado. O sistema idealizado em 1974 pelo arquiteto e então prefeito de Curitiba, Jaime Lerner, é um dos maiores cases de sucesso de sistemas de transporte coletivo de passageiros que proporciona mobilidade urbana rápida, confortável, segura e eficiente com uma estrutura separada que dá prioridade de ultrapassagem com operação ágil e muito frequente.

Além dos benefícios diretos com a velocidade em horários de pico, o BRT ou apenas a definição de pistas ou faixas exclusivas promove também a melhoria na segurança, proteção aos passageiros e também a redução na emissão de CO², pois a necessidade de paradas e partidas são diminuídas.

A médio e longo prazo, o resultado é a diminuição de congestionamentos, pois a qualidade do transporte coletivo é inerente por sua assertividade e eficiência, o que provoca a adesão de usuários que antes utilizavam o transporte individual com carros, na maioria das vezes transportando uma única pessoa.

 

A evolução e o futuro está no transporte coletivo

A otimização do tempo dos passageiros e também do uso dos veículos pelas operadoras do sistema, as empresas de ônibus, traz também a possibilidade de qualificação e ampliação das frotas, visto que a longo prazo mais passageiros passam a utilizar o transporte coletivo, reduzindo assim a ociosidade de veículos em horários e linhas de menor utilização. O mesmo ocorre com a integração entre empresas e/ou linhas, tema que trataremos em outro artigo.

Em resumo, a priorização do transporte coletivo e integração entre empresas e/ou linhas, possibilita toda uma cadeia de ações e efeitos que geram a melhoria qualitativa da mobilidade urbana em quaisquer cidades metropolitanas.

Por outro lado, a priorização do transporte urbano e intermunicipal em veículos privados, carros e motos, gera apenas o aumento escalonar e ininterrupto da necessidade de investimentos em infraestrutura, na construção e aumento das vias, viadutos, pontes etc. Em áreas metropolitanas, como no caso da Grande Florianópolis, é notável que o modelo baseado no carro e moto é falho e passível de falência, como é diariamente testemunhado pela população.

 

Conheça também nossos canais digitais:

WhatsApp: (48) 3954-7200 (informações e perguntas rápidas)

Facebook: https://www.facebook.com/biguacutc

Instagram: https://www.instagram.com/biguacutc

LinkedIn: https://www.linkedin.com/company/biguacu-transportes-coletivos

Localizada na Av. Santa Catarina, nº 967. Bairro Estreito em Florianópolis / SC, a Biguaçu Transportes Coletivos tem orgulho de fazer parte da sua história desde 1947.